Blog

Caneca

Burnout: O que é, como identificá-lo e como os gerentes podem proteger suas equipes contra isso

Burnout: O que é, como identificá-lo e como os gerentes podem proteger suas equipes contra isso
980
03/04/2023
5

Fiz parte de um painel recentemente onde me fizeram uma pergunta que me fez pensar sobre a natureza do burnout, a resiliência e o papel dos gerentes no local de trabalho pós-pandemia. A questão era: 

"Desde a pandemia e o aumento da consciência, compreensão e apreciação do bem-estar no local de trabalho, será que esperamos que os gerentes assumam maior responsabilidade pela saúde mental e bem-estar de suas equipes? E se sim, estamos pedindo demais aos gerentes?"" 

É importante diferenciar bem-estar de saúde mental no sentido clínico - depressão, ansiedade, distúrbios de personalidade - que não são, nem nunca deveriam ser, responsabilidade de um gerente. Entretanto, os gerentes têm uma responsabilidade pelo estresse, felicidade e bem-estar geral dos membros de sua equipe no trabalho. 

Eu acho que nós ainda estamos pedindo de grandes gerentes o mesmo de sempre. É responsabilidade deles ajudar sua equipe a se sentir engajada, com propósito e apoiada no que estão fazendo no trabalho. Mas e o burnout? Como isso se relaciona ao engajamento dos funcionários, quais são os sinais, e o que podemos fazer para apoiar nossas equipes e colegas para evitar que o burnout ocorra? 

Um dos modelos de burnout mais usados academicamente, citados e validados, o posiciona como o oposto do engajamento.Propõe-se que o engajamento seja composto por três fatores amplos (Schaufeli & Bakker, 2003):  

Vigor, quanta energia e entusiasmo nós trazemos para o que fazemos;  
Dedicação, como nos sentimos comprometidos, num sentido psicológico, com nosso trabalho, nossas equipes e nossa organização como um todo; e  
Absorção, a medida em que nós "nos perdemos" no que fazemos e sentimos como se o tempo passasse rapidamente quando estamos trabalhando. 

Essencialmente, burnout é o oposto polar desses três conceitos (Maslach, Jackson, & Letter, 1996): 

Exaustão Emocional, quando nos sentimos psicologicamente "desgastados";  
Depersonalização, quando nos sentimos desapegados daqueles com quem trabalhamos ou de nossa organização; 
Falta de Realização Pessoal, nós não nos sentimos mais bem no que fazemos.  

Mas como alguém passa de engajado e entusiasmado no trabalho para o burnout? 

A pesquisa acadêmica sobre burnout frequentemente fala sobre a ideia de recursos psicológicos. Pense nesses "recursos" como um tanque de reserva de água, que drena quando estamos em atividade. Os recursos psicológicos são a quantidade de energia que temos disponível para focar em uma tarefa ou situação. Quando experimentamos estresse, nossa reserva de recursos psicológicos é esgotada pelo nosso foco no que quer que esteja nos causando estresse. Quando descansamos e relaxamos, começamos a reabastecer o tanque, reabastecendo nossos recursos psicológicos. 

Mas o que acontece quando nosso reservatório de recursos se esgota?Alguns acadêmicos argumentam que, se pudermos perseverar e continuarmos normalmente, mesmo com nossos recursos esgotados, então somos resilientes. Outros enfatizam os efeitos psicológicos negativos do esgotamento de nossos recursos, que é o burnout. 

Embora estes argumentos sejam comuns academicamente, eles são menos úteis para os gerentes ou para nossa compreensão de burnout e resiliência. Eles sugerem que certas pessoas são resilientes enquanto outras não; ponto final, caso encerrado. Além disso, eles não nos ajudam a entender quanto tempo precisamos "ficar vazios" antes de nos esgotarmos, ou como ajudamos a lidar com o estresse antes de chegarmos a esse ponto. 

Ao invés disso, a resiliência deve ser vista como um processo dinâmico (Treglown & Furnham, 2018). É como nós interagimos com nosso ambiente e alocamos nossos recursos psicológicos para gerenciar o estresse que estamos experimentando. Pensar em resiliência desta forma implica que todos são resilientes, alguns mais do que outros, mas de forma crucial, todos nós temos a capacidade de entender como enfrentamos e gerenciamos o estresse.

Burnout é quando ficamos sem recursos e não somos mais capazes de alocar qualquer energia ou foco em situações estressantes. Nós ficamos desarmados e indefesos, permitindo que o estresse tenha um impacto maior sobre nós. Então, como podemos detectar o burnout em nós mesmos e nos outros, e quais são os sintomas? 

Quando passamos pela Exaustão Emocional, tendemos a sentir: 

Psicologicamente 'desgastado', mesmo no início do dia; 
Incapaz de desligar/trabalhar como uma forma de 'pensamento intrusivo'; 
Letargia ou falta de entusiasmo pelo que estamos fazendo; 
Que nós estamos trabalhando duro, mas não está tendo impacto; 
Frustrado mais rapidamente, e com um número maior de coisas. Nós não temos mais a energia para situações que normalmente somos capazes de gerenciar. 

Quando experimentamos a despersonalização, nós tendemos a: 

Tornar-se independente de com quem estamos trabalhando e no que estamos trabalhando; 
Manter e expressar percepções mais negativas. Nós assumimos que outros têm intenções negativas e maliciosas mais frequentemente, ao invés de atribuí-las a decisões ou ações não intencionais; 
Tornar-se mais insensível e se preocupar menos em apoiar os outros. 

Quando sentimos uma falta de realização pessoal, tendemos a sentir: 

Que nós não somos bons no que fazemos; 
Desiludidos com a quantidade de coisas que precisamos trabalhar; 
Perdido sobre por onde começar; 
Duvidosos sobre coisas que antes nos sentíamos confiantes e seguros de nós mesmos. 

O que podemos fazer para apoiar a nós mesmos, nossos colegas e nossas equipes para evitar o burnout?A melhor coisa que podemos fazer é agir mais cedo. Quando alguém já está esgotado, o estrago está feito.A melhor coisa a fazer é descansar e recuperar para que eles possam repor seus recursos psicológicos. Ao invés disso, devemos proteger contra o burnout, reforçando a resiliência e melhorando nossas técnicas para lidar com o estresse. Há três maneiras principais de fazermos isso: criando uma sensação de impulso para frente; descanso e recuperação; e compreendendo como avaliamos o estresse. 

Pesquisas acadêmicas sobre os traços de personalidade dos indivíduos de resiliência têm mostrado que eles são capazes de perseverar e se sentir competentes no que estão fazendo, mesmo em tempos de alto estresse (Treglown et al., 2018) A razão para isto é que eles mostram uma capacidade de lidar com tarefas; eles são capazes de focar em objetivos claros e se esforçar para alcançá-los sem deixar que outros fatores ambientais os distraiam. Traços específicos ajudam nisto: A conscienciosidade faz referência ao nosso impulso interno e automotivação, sendo um indicador chave para uma capacidade de perseverança; Dominância, uma característica dentro da avaliação de comportamento da Thomas, também tem sido ligada a estilos proativos de lidar com o estresse. Mas isto não quer dizer que você só possa ser resiliente se você exibir estas características. Em vez disso, podemos pegar o que vem naturalmente para indivíduos com essas características e imitar a abordagem de trabalho e ambiente que eles exibem. Para fazer isso, crie uma estrutura que enfatize o foco - ou seja, não permitindo que muitas tarefas se acumulem de uma só vez e, se isso acontecer, seja capaz de reduzir para uma ou duas tarefas principais - e celebrar 'pequenas vitórias' - ou seja, encerrar uma tarefa totalmente e abraçando uma sensação de conclusão e realização com ela - para manter uma sensação de impulso e progresso.

O descanso e a recuperação como uma forma de ajudar a evitar o burnout pode parecer uma solução óbvia, mas muitas vezes é negligenciada. Nós precisamos de tempo e espaço para reabastecer nossas reservas psicológicas para que sejamos capazes de enfrentar qualquer novo fator de estresse com um "tanque cheio". Como podemos recarregar nossas baterias? As redes de apoio social têm se mostrado benéficas, onde as pessoas são capazes de se sentir socialmente ligadas a outras pessoas e discutir tópicos fora do trabalho. Além disso, pesquisas têm mostrado que aqueles que isolam socialmente sob estresse são potencialmente mais propensos a sofrer burnout (Treglown et al., 2018). Outra tática chave é estabelecer limites claros e criar uma separação clara do trabalho para nos separarmos de potenciais fontes de estresse. Sem isso, o estresse de nossa vida profissional pode continuar diminuindo em nossas reservas psicológicas.Finalmente, e mais obviamente, o repouso é a melhor forma de descanso.Permitindo a nós mesmos ter uma pausa justificada e merecida. Nem precisa ser que nós não façamos nada; pesquisas têm mostrado que uma mudança pode ser tão boa quanto uma pausa (Pillar et al., 2020). 

Finalmente, entender como avaliamos os estressores é crucial. O estresse surge como resultado de como avaliamos o que está acontecendo ao nosso redor em nosso ambiente. Usar Avaliações de personalidade e comportamento pode nos ajudar a entender os tipos de coisas que vamos achar frustrantes ou estressantes. Alguns exemplos podem incluir: 

Aqueles com alta Conformidade às vezes sofrem estresse devido à falta de tempo para chegar à resposta "certa" ou à forma de fazer algo; 
Aqueles com baixa Curiosidade às vezes experimentam estresse quando outros enfatizam ou pressionam por mudanças quando não há uma razão real para isso; 
Aqueles com alta Competitividade podem experimentar frustração por sentir que não são capazes de influenciar um resultado que é importante para eles. 

Se formos capazes de entender como avaliamos nosso ambiente, bem como entender como nossos colegas e equipe ficam frustrados, podemos fazer mais para mitigar ou apoiar aqueles durante períodos estressantes. 

Fonte: Thomas International 

   
 

Compartilhe

Confira nossas vagas: Acesse o link! Leia mais

Controle sua privacidade

Nosso site usa cookies para melhorar a navegação. Clique em "Minhas opções" para gerenciar suas preferências de cookies.

Minhas Opções Aceito

Quem pode usar seus cookies?

×

Cookies necessários

São essenciais pois garantem o funcionamento correto do próprio sistema de gestão de cookies e de áreas de acesso restrito do site. Esse é o nível mais básico e não pode ser desativado. Exemplos: acesso restrito a clientes e gestão de cookies.

Cookies para um bom funcionamento (1)

São utilizados para dimensionar o volume de acessos que temos, para que possamos avaliar o funcionamento do site e de sua navegação. Exemplo: Google Analytics.mais detalhes ›

Google Tag Manager

Cookies para uma melhor experiência (1)

São utilizados para oferecer a você melhores produtos e serviços. Exemplos: Google Tag Manager, Pixel do Facebook, Google Ads.mais detalhes ›

Shareaholic